Google News fecha na Espanha

PUBLICADO NA EDIÇÃO 829 DO OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA EM 16/12/2014

Caio Túlio Costa

google-spain

Os jornais espanhóis conquistaram uma pequena vitória contra o Google. O gigante de buscas fechou a partir de hoje (16/12) a sua área de agregação exclusiva de notícias, o Google News espanhol – aqui conhecido como Google Notícias.

O serviço foi fechado, informa o El País, em respeito à recente Lei de Propriedade Intelectual que obriga os buscadores a pagar uma taxa aos editores por indexar e reproduzir suas informações. A lei começa a valer a partir de 2015.

Os leitores de jornais espanhóis, no entanto, irão continuar vendo notícias indexadas pelo serviço normal de busca do Google, mas não as verão mais no Google News, que indexa e apresenta apenas notícias. Ou seja, o público não foi afetado por esta querela entre os jornais e o buscador.

A discussão não pertence apenas à Espanha. Este é o segundo país cujos jornais estão fora do Google News, ou parcialmente fora. No Brasil, o Google Notícias funciona, mas sem indexar e apresentar os principais jornais, por conta de uma decisão dos diários brasileiros associados à ANJ (Associação Nacional de Jornais) que preferiram se retirar do mecanismo em 2011.

À procura de um modelo

Conforme o El País, Richard Gringas, diretor do Google, adiantou na semana passada que, em consequência da nova lei espanhola de propriedade intelectual, em breve a empresa teria de fechar o Google News na Espanha. Na ocasião, ele acrescentou: “Dado que é um serviço que não gera receita (não exibimos publicidade), este novo enfoque o torna simplesmente insustentável”.

O próprio Google redireciona os usuários na Espanha, a partir de 16/12, para uma página web na qual a empresa se justifica, em espanhol: “Lamentamos tener que informarte que Google Noticias ha cerrado en España y que las publicaciones de los editores españoles ya no aparecen en Google Noticias, a raíz de los recientes cambios en la legislación española. Comprendemos que usuarios como tú podáis estar descontentos con esta nueva situación y por ello queremos explicarte las razones por las cuales hemos tomado esta decisión […]”.

A reação dos jornais e do parlamento espanhol vem na esteira de procedimentos semelhantes na Europa, com resultados distintos e, até agora, favoráveis ao Google. A empresa conseguiu fechar acordo com os jornais belgas e franceses (contra o pagamento de dinheiro aos jornais belgas francofones e investimentos em tecnologia para os jornais franceses). Na Alemanha, enfrentou os jornais quando, mesmo tendo visto aprovar no parlamento alemão lei semelhante à espanhola, disse que então iria tirar todos os resultados do buscador. Sob esta pressão, os diários alemães decidiram entregar de graça seus conteúdos para indexação no Google News local.

Jornais no mundo inteiro enfrentam problemas financeiros sérios. Eles têm visto cair de forma acentuada as receitas de publicidade além da queda na circulação. Isto tem acontecido principalmente entre os chamados quality newspapers, ou jornais de qualidade, os principais diários nacionais, comprometidos com padrões mínimos de independência e de qualidade editorial.

Google e Facebook são dois gigantes que abastecem suas próprias plataformas também com informações desses jornais que carregam credibilidade no ato de informar, mas não são remunerados pelo uso dessas informações.

O acontecido na Espanha, que ainda pode sofrer reviravoltas, é um pequeno capítulo no enorme desafio dos jornais em encontrar um modelo de negócio que os tornem tão viáveis neste novo mundo quanto o eram no mundo da informação que não transitava em redes digitais.

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar
, ,

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *