Expo de fotógrafos em prol do IDS

Leilão de fotos em São Paulo

Exposição de fotos em São Paulo, de 25 de maio a 1 de junho reúne, em São Paulo, quatro fotógrafos extemporâneos: Adolfo Leirner, Beto Ricardo, Caio Túlio Costa e Leão Serva.

Adolfo é engenheiro e médico, Beto é ambientalista, Caio Túlio é jornalista, professor e consultor e Leão Serva é jornalista. Rosely Nagakagawa foi a curadora que reuniu os trabalhos. 

Os quatro têm em comum a paixão pela fotografia. Exercem-na em momentos extra-profissionais.

Os resultados destas quatro “viagens” pela fotografia estarão em leilão de arrecadação de fundos para o IDS, Instituto Democracia e Sustentabilidade.

Adolfo trabalha recortes e elementos fotográficos no photoshop alcançando efeitos supreendentes. Beto Ricardo mostra visões da montanha Bela Adormecida, em São Grabriel da Cachoeira. Caio Túlio Costa expõe instantâneos colhidos em viagens a Cuba. Vietnã, Tailândia e Portugal. Leão Serva trabalha com polaroids.

A exposição será na galeria (espaço de arte) do Restaurante Trio, na Vila Olimpia  (Rua Gomes de Carvalho, 1759). A exposição vai de 25 de maio até 1 de junho, quando acontece o leilão, às 21 horas. A partir de 25 de maio, as obras poderão ser vistas no Espaço Arte Trio todos os dias no horário do almoço.

Convite para a exposição no Trio

Convite para a exposição no Trio

Todos os leitores deste site estão convidados para a exposição e para o leilão.

Para quem não conhece Adolfo Leirner, ele se define assim:
“Com dez anos ganhei uma histórica Kodak Brownie 620. Aos 11, num hotel em Santos onde passava férias havia um fotógrafa com estúdio e laboratório e que me adotou como assistente me ensinando a fotografar e revelar fotos. A seguir me apossei de uma Leica antiga esmaltada em preto que era da minha mãe. No meu 13o. aniversário ganhei um ampliador que completou meu laboratório. Era sócio do Foto Clube Bandeirantes onde ia de noite assistir os debates sobre fotos dos sócios. Com 15 anos ganhei uma Rollei e curtia fotografar eventos esportivos. Às vezes minhas fotos eram aproveitadas em jornais. Aos 17 anos fui estudar no ITA, e a fotografia cedeu lugar aos estudos que me ocupavam integralmente. Fundei uma pioneira fábrica de aparelhos médicos e entrei aos 37 anos na FMUSP, onde fiz graduação, residência, doutorado e docência em Cardiologia. Dirigi por 25 anos um laboratório de Bioengenharia no Incor onde era médico e engenheiro, e “Professor Pardal”. Vivi entre artes e artistas Minha mãe Felícia Leirner era escultora, meus irmãos Nelson e Giselda são artistas de renome além de uma penca de familiares dedicados às artes. Com a idade, cedi aos jovens meu lugar na academia sobrando espaço para retornar à fotografia, agora modificada pela captura e processamento digitais. As câmeras porém permaneceram semelhantes e o manejo foi fácil. Amadurecido pelos ativos 70 anos que deixei para trás encontrei na fotografia uma forma de guardar os momentos que presencio e transformá-los numa crônica gráfica do homem e da história. A série que exponho agora toma como inspiração o conflituoso relacionamento de amor e ódio do homem e das instituições com as várias formas do divino e da arte sacra, usando elementos do vandalismo, do grafitti e da escrita arcaica.”

Beto Ricardo diz de si mesmo:
“Meu contato inicial com a fotografia foi com as imagens da família e de viagens que meu pai fazia com uma Rolleyflex e, algum tempo depois, com uma câmera 35 mm. Slides emoldurados, caxias de metal, projeções caseiras. Aos 19 anos entrei na universidade para cursar ciências sociais, enveredei pela antropologia e adotei uma câmera Nikon FM2 como ferramenta de registro nas minhas viagens e trabalhos de campo. Valorizei as imagens fotográficas tanto quanto os textos, na série de publicações “Povos Indígenas no Brasil”, que idealizei em 1978 e da qual fui editor por vários anos. Aprendi com Vincent Carelli a ler editorialmente as fotografias que recebíamos de muitos colaboradores, profissionais e amadores. Ainda neste trabalho associado à luta dos povos indígenas pelo reconhecimento dos seus direitos, descobri a força das fotos yanomami de Claudia Andujar. Com muitas viagens de trabalho pela Amazônia, especialmente no alto Rio Negro, fiz extenso registro dos bastidores de vários processos de lutas dos índios e populações tradicionais por direitos e de vários casos exemplares da diversidade socioambiental do Brasil. Paisagens humanizadas e em movimento. Organizei eventos e exposições sempre vinculados a estes processos, nos quais as fotografias conviveram com desenhos, pinturas, vídeos, objetos, textos e sons. Aprendi um bocado com Pedro Martinelli, nas várias jornadas de viagens na Amazônia que fizemos juntos. Cheguei a operar com duas FM2, uma com filmes côr e outra com pb, antes de adotar mais e mais uma pequena câmera digital. Como editor do ISA (Instituto Socioambiental), tenho incorporado algumas das minhas imagens e de outros colaboradores em várias publicações, nos últimos 15 anos.”

 

Detalhe de foto de Caio Tulio feita em Havana Velha, Cuba

Detalhe de foto de Caio Tulio feita em Havana Velha, Cuba

 

Caio Túlio Costa explica assim a sua aproximação com a fotografia:
“Meu nome é Caio Túlio Costa e tenho 55 anos. Sou jornalista e professor de jornalismo. Ganho a vida como executivo e consultor de novas mídias. Fotografo desde criança por conta da paixão de meu pai pela fotografia. Com ele, aprendi a medir a luz, a calcular a abertura da objetiva e a velocidade exata para disparar o obturador. Ele usava uma Leica manual e uma Rolleiflex, alternadamente, com a ajuda de um fotômetro. Meu pai gostava de slides e as sessões de fotos projetadas na parede da sala de casa eram comuns naquela época em Alfenas, no sul de Minas. Eu me deslumbrava com aquilo. Herdei parte do seu equipamento (a Leica, o fotômetro e um tripé) que acabou sendo furtada de dentro de minha casa. Já em São Paulo, na escola de jornalismo, aprendi a revelar e a ampliar fotos. Usei e abusei do laboratório revelando os amigos, as namoradas e as ruas da cidade. Com a ajuda de uma Nikon F2, depois de uma Leica R8 e mais recentemente de uma Leica digital (D-Lux 3), passei a registrar viagens, em especial as que
costumo fazer com minha família. Também fiz fotos jornalísticas, poucas, pressionado pelo dia-a-dia do jornal. Confesso ter resistido bastante, mas acabei cedendo à fotografia digital. As fotos deste leilão, escolhidas pela Rosely Nagakagawa, exibem dez instantâneos de três viagens recentes, Cuba, Ásia e Portugal – a passeio – sempre à espreita de algum ângulo nem muito óbvio nem tão comum. Quero frisar que não manipulo as fotos no Photoshop, não recorto foto, não utilizo filtros nem recursos avançados da câmara e sou parcimonioso com as teleobjetivas. Gosto de Eugène Atget, de Cartier-Bresson, de Robert Capa, da Annie Leibovitz e do Bob Wolfenson. Só aceitei expor estas fotos porque é para uma boa causa.”

Leão Serva se explica dessa forma:Em 1992, no interior de Angola, minha primeira câmera reflex, uma Minolta que me acompanhava desde a adolescência e já tinha testemunhado outras guerras, foi expropriada por guerrilheiros da Unita. Segui cobrindo guerras.
Para substituir a câmera, comprei uma máquina super-automática, auto-focus, “auto tudo”. A consequência foi trágica: anos depois, numa visita a aldeias indígenas do rio Içana, no Alto Rio Negro, me dei conta que já não sabia manipular com inteligência os recursos da câmera. Decidi então comprar equipamentos low techs. Ao longo dos ltimos anos, quando o mundo vivia a corrida à foto digital, eu vivi uma volta ao passado. Primeiro foi uma Leica R3, de 1976; depois, foi uma Rollei 35, de 1966. Mais recentemente, ganhei de um amigo uma linda Polaroid SX70, de 1972, à qual juntei posteriormente duas outras polas. Vivi então uma busca da “última polaroid”. Como a empresa não faz mais filmes para elas, os poucos que existem são conservados em geladeira e podem sofrer problemas em sua química, criando efeitos aleatoriamente.
Diz o professor e galerista Eduardo Brandão que todas as fotos já foram feitas e boa parte das pessoas já as viu e as tem na memória. Dessa forma, quando apertamos o botão do obturador, é como se buscássemos refazer uma foto que já vimos. Essa história começa quando os inventores da fotografia retratavam imagens captadas de sua janela. Quase todos os fotógrafos também refizeram essa trajetória, captando imagens da visão de suas janelas. Tenho certeza dessas verdades quando olho o visor da máquina. A maior parte de minhas fotos nesta exposição, todas feitas com a máquina SX70 (algumas com filmes adaptados em casa), mostram lugares clássicos. Fotografei muitos deles repetidamente, inúmeras vezes, nas mais diversas situações de clima e luz, da janela do escritório onde eu trabalhava, da janela de um hotel no Rio ou da janela de casa.
Fotografia para mim nasceu da habilidade de meu pai, um fotógrafo amador talentoso e premiado. Vivo um pouco em busca desse Graal, o olho dele, seu raciocínio cromático, a relação dos filtros e filmes dentro de sua Rolleiflex retangular. Desde que comecei a trabalhar, a câmera passou a ser também um recurso jornalístico para revelar a alma dos personagens que obriga o repórter a se aproximar muito do objeto, que às vezes é o próprio risco. Uma câmera conduz melhor inclusive o trabalho do repórter de texto.
Mas todo esse realismo foi relegado a um segundo plano diante da textura estranha e do acaso imposto pela química dos filmes de polaroid vencidos.
De volta das viagens de guerra, em 1994 as fotos se tornaram tema de uma exposição (“Todos os Fogos do Front”) que esteve no Museu da Imagem e do Som (MIS), em SP, e depois em Salvador, Bahia (Casa do
Benin), e em Buenos Aires (Embaixada do Brasil). Mais recentemente, uma dessas polaroids participou da coletiva Mostra São Paulo Original de Fotos (2009).
Nasci em São Paulo em 1959, comecei a trabalhar como jornalista em 1978 e hoje sou diretor de Redação do jornal “Diário de S.Paulo”. Tenho alguns livros publicados, os mais recentes são “Jornalismo e Desinformação” (Senac, 2001) e “Cidade Limpa – O projeto que mudou a cara de S. Paulo” (2008).”

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar
,